Marketing digital para consultórios odontológicos: o que pode e não pode

Você sabia que determinados profissionais não podem usufruir da publicidade, propaganda e/ou marketing para alavancarem os seus negócios? O dentista é um desses.

Isso porque, de acordo com a Lei Federal 8.078/90, do Código de Defesa do Consumidor, o cirurgião-dentista é um prestador de serviços. Por conta disso, qualquer material divulgado por ele pode ser considerado como uma parte do contrato firmado com o paciente – mesmo quando não escrito.

Ou seja, caso o dentista anuncie um de seus procedimentos ou tratamentos odontológicos em um outdoor, ou até mesmo nas redes sociais, o paciente pode cobrá-los como resultado final e, se não correspondido, o profissional pode passar por um processo ou por medidas disciplinares do Conselho Federal de Odontologia (CFO) ou do Conselho Regional de Odontologia (CRO).

Para evitar que isso aconteça, descubra abaixo algumas normas de publicidade para a área odontológica, dos Conselhos Regional e Federal de Odontologia, regidas pelo capítulo XIV do Código de Ética Odontológica e pelo Artigo 7º da Lei 5.081/66.

O que pode ser divulgado:

  • A área de atuação, além dos procedimentos e técnicas de tratamentos – porém, desde que precedidos do título de especialidade registrada no Conselho Regional.
  • As especialidades do cirurgião-dentista – essas inscritas no Conselho Regional.
  • Os títulos de formação acadêmica stricto sensu e do magistério relativos à profissão.
  • O endereço do consultório odontológico e seu horário de funcionamento, além do telefone, fax e e-mail.
  • Os convênios, credenciamentos e atendimentos domiciliar e/ou hospitalar.
  • A expressão clínico geral – contudo, apenas pelos profissionais graduados ou especializados nessa especificidade.
  • Vídeos de animação gráfica que representem técnicas e/ou procedimentos cientificamente comprovados.
  • Artigos que objetivem a orientação e conscientização da população quanto à saúde bucal.

E o que não pode ser divulgado:

  • Fotos e/ou vídeos de pacientes durante os procedimentos ou tratamentos odontológicos.
  • Fotos e/ou vídeos dos resultados dos procedimentos ou tratamentos odontológicos feitos nos pacientes – o popular antes e depois.
  • Fotos, vídeos e/ou textos de procedimentos ou tratamentos odontológicos sem comprovação científica, ou que não pertençam ao âmbito odontológico.
  • Fotos e/ou vídeos das condições bucais de pacientes, a fim de obter opiniões e/ou diagnósticos.
  • Comentários que difamem técnicas comprovadas cientificamente adotadas por outros profissionais.
  • Preço do serviço prestado, assim como gratuidades, descontos, promoções, brindes e/ou vantagens.
  • Título de especialização em área desconhecida pelo Conselho Federal de Odontologia (CFO).

E você, sabia dessas regras? Para mais dicas e conteúdos como esse, continue acompanhando nosso blog!

Propriedade Intelectual- Copa do Mundo 2018: A FIFA está de olho em você

Mais uma copa iniciando e com ela toda a expectativa e vibração do esporte mais popular do mundo. Além de movimentar o mundo da bola, a copa do mundo movimenta muuuuito dinheiro. Estima-se que a copa 2018 irá movimentar somente em patrocínio mais de 6 bilhões de dólares…..em números brutos, supera todas as ligas esportivas do mundo, inclusive o automobilismo e as poderosas ligas de basquete, beisebol e futebol dos Estados Unidos.

Durante a época dos jogos, é muito comum que comerciantes e empresas associem sua marca à Copa do Mundo na intenção de conquistar novos públicos e gerar mais receita. Mas, para não acabar saindo no prejuízo, é preciso se atentar às regras de direitos autorais e marketing impostas pela FIFA (Federação Internacional de Futebol).

Portanto, você que é empresário ou gerencia um negócio, saiba o que pode ou não fazer quando o assunto é Copa do Mundo.

A cada edição, a FIFA, corporação detentora do evento esportivo, registra uma série de palavras, frases, imagens, representações e marcas que não podem ser usadas por empresas não parceiras da Copa. Grandes nomes como Coca-Cola, Nike, Visa e Itaú, por exemplo, podem explorar a imagem da Copa do Mundo 2018, pois são patrocinadores oficiais do evento.

Termos: Alguns dos vocabulários registrados pela FIFA e liberados apenas aos patrocinadores são: Copa do Mundo, Copa 2018, Copa do Mundo da Fifa Rússia 2018, Fifa, Rússia 2018.

Imagens: Já dentre as imagens e designs de uso exclusivo estão: o troféu, o mascote, o pôster oficial, o emblema oficial da Copa, a tabela de jogos e a identidade visual.

Quando utilizados por empresas não parceiras para fins publicitários e geração de lucro, a FIFA pode abrir um processo por violação de direitos autorais.

Marketing de emboscada: Fazer promoções vinculadas à Copa do Mundo é caracterizado marketing de emboscada a partir do momento em que marcas não parceiras fazem uso de um grande evento visando benefício próprio. O termo pode ser traduzido portanto como pegar carona (de forma irregular) no sucesso de um acontecimento.

Produtos: Outra regra de licenciamento e direitos autorais que abrange o evento é a falsificação de produtos. Desenvolver e comercializar artigos associadas à Copa do Mundo são atividades permitidas apenas aos patrocinadores. Portanto, vender qualquer tipo de produto que estampe as marcas do evento é considerada uma prática ilegal.

Redes Sociais: Para redes sociais,  a simples postagem de imagens relacionadas à copa já é passível de punição. O próprio Facebook esta penalizando empresas que utilizam desses símbolos em suas postagens, dessa forma, posts impulsionados que utilizarem as imagens da copa, serão reprovados.

Uma alternativa interessante é fazer o uso das hashtags (#), porém sempre com um posicionamento informativo, pois quando utilizada com objetivo comercial ou publicitário, o uso da hashtag é passível de punição.

Por isso, você empresário ou comerciante, que pretende alavancar as vendas em época de Copa do Mundo, deve ficar atento às leis de uso de imagem e licenciamento, uma vez que, infringir os direitos autorais, ainda mais de uma gigante como a FIFA, pode resultar em muita dor de cabeça, despesas extras e perda de receita.

Como se destacar no Linkedin? Confira dez dicas para obter sucesso na rede social corporativa

Descubra agora como se destacar no Linkedin!

Hoje em dia as pessoas usam muito as redes sociais para o lazer. Compartilhar momentos e aproximar pessoas é a proposta da grande maioria dessas redes, como, por exemplo, Facebook, Instagram, Twitter, Pinterest e Tumblr, algumas das maiores plataformas do mundo virtual.

Mas, o LinkedIn, em especial, é diferente. Rede social de negócios lançada em 2003, tem como objetivo estabelecer conexões profissionais. Através da criação de um perfil na plataforma, o usuário monta seu currículo virtual, adiciona pessoas e estabelece um networking online.

E se tratando de uma ferramenta tão importante e popular – com mais de 225 milhões de membros –, é necessário que o usuário saiba fazer uso do LinkedIn da melhor forma possível, pois qualquer deslize pode custar uma vaga de emprego.

Dessa maneira, nós selecionamos dez dicas para você melhorar seu perfil e aproveitar ao máximo os benefícios dessa rede social.

1 – Adicione uma foto de perfil
Para se destacar no linkedin, os recrutadores e as empresas, a imagem pessoal conta muito, por isso, é importante apresentar uma foto de perfil que seja profissional e adequada a sua profissão.

2 – Personalize a URL
Para se destacar nas ferramentas de busca, e deixar a URL mais agradável, – eliminando aquela sequência de letras e números aleatórios –, personalize o link do seu endereço de perfil com nome e sobrenome.

3 – Escreva um resumo
Quanto mais completa for sua página no LinkedIn mais interesse ela despertará nos recrutadores, por isso, aproveite para adicionar um bom resumo ao seu perfil. Crie um pequeno texto para se apresentar, falar sobre seus interesses e habilidades, além de explicar seus objetivos profissionais.

4 – Apresente seu currículo
Um dos pontos mais fortes de um perfil no LinkedIn é a formação acadêmica. Por isso, aproveite essa ferramenta para expor seus certificados, diplomas e outras certidões que contribuíram para sua carreira.

5 – Invista nas palavras-chave
Selecione algumas palavras que se relacionem com sua profissão, personalidade ou experiência profissional, e as utilize ao longo do perfil. As chamadas palavras-chave (liderança, SEO, Microsoft Office, etc.), são formas eficientes de alavancar seu perfil nas ferramentas de busca do Google.

6 – Crie um perfil em outro idioma
Falar outra língua atualmente já não é mais um diferencial, e grande parte das empresas, principalmente as multinacionais, procuram um profissional bilíngue, portanto, adicione um perfil em outro idioma à sua página no LinkedIn. Em muitos casos o recrutador pode procurar por palavras-chave em inglês, por exemplo, e se o seu perfil estiver em inglês, as chances de você ser encontrado por esse recrutador são maiores.

7 – Acrescente links para outras redes sociais
Para facilitar a comunicação, – já que o LinkedIn não é a melhor plataforma para bate-papos –, e até fornecer mais dados sobre você, adicione outros perfis à sua página profissional. Endereços de e-mail, Twitter, Facebook, e outras redes sociais podem ser associadas à sua conta.

8 – Mantenha o perfil atualizado
De nada adianta ter uma conta no LinkedIn, mas não atualizá-la regularmente. Pelo menos uma vez por mês é preciso movimentar o perfil, seja atualizando a foto de perfil ou de capa, ou adicionando uma habilidade nova.

9 – Exerça a pró-atividade
Siga empresas de seu interesse, interaja com suas conexões, publique textos de sua autoria, pesquise sobre profissionais que você admira e tente fazer um contato com essas pessoas, torne-se visível para os recrutadores.

10 – Cuide da escrita
Por ser essencialmente textual, o LinkedIn exige dos profissionais uma habilidade extra com a língua portuguesa. Erros de português como acentuação, concordância e gramática somam pontos negativos à avaliação dos recrutadores.

Gostou das dicas? Que tal colocá-las em prática hoje mesmo e dar um up no seu perfil profissional? Utilizando corretamente todas as ferramentas que o LinkedIn oferece, você traça seu próprio caminho para o tão sonhado sucesso profissional.

 

Instagram: 5 passos para utilizá-lo a favor da sua empresa

O Instagram, famosa rede social de compartilhamento de fotos e vídeos, soma atualmente mais de 800 milhões de usuários. Acumulando outros números exorbitantes, o aplicativo já demonstrou que tem potencial para ser a rede social mais utilizada do mundo.

E com adesão cada vez mais crescente, o Instagram é uma excelente ferramenta para empresários e comerciantes que desejam ter presença nas redes e atrair mais clientes.

O fato da internet estar totalmente presente no dia a dia das pessoas só evidencia que empreendimentos que não investem em comunicação online perdem muito em conquistar novos públicos e criar uma marca própria, afinal, quem não é visto não é lembrado. Portanto, vale utilizar as ferramentas do online em benefício do seu negócio.

Através do marketing digital – ações de comunicação praticadas no meio digital, com o propósito de estabelecer novos negócios, divulgar e comercializar produtos, conquistar novos clientes e melhorar relacionamentos – é possível ganhar visibilidade e desenvolver uma identidade forte de marca.

Com as dicas a seguir você vai aprender como utilizar o Instagram a favor da sua empresa.

1 – Crie um perfil

O primeiro passo é não usar contas pessoais, e sim abrir um perfil próprio para a marca. Coloque as principais informações, como site, telefone e apresentação da empresa na descrição, e adicione seu logotipo na foto de perfil. Definindo uma personalidade e estética para a marca, fica mais fácil os usuários se identificarem com seu negócio.

2 – Use imagens de boa qualidade

O Instagram é uma rede de compartilhamento de fotos e vídeos, portanto, a estética é o carro-chefe. Publique imagens de qualidade e com boa definição, pois perfis organizados e com conteúdos significativos transmitem maior profissionalismo.

3 – Use #hashtags

#Hashtags são palavras-chave que indexam todo conteúdo similar em um só lugar, e utilizar esse artifício ajuda clientes em potencial a encontrarem sua marca. É interessante também criar uma #hashtag única para sua empresa e adicioná-la na legenda das postagens, mas fique atento para não cometer excessos.

4 –  Utilize a ferramenta Stories

Função que exibe postagens durante 24 horas, e depois as apaga, o Stories é uma ótima ferramenta para as empresas mostrarem um pouco do seu dia a dia, dos bastidores do negócio e realizarem pesquisas de opinião, transmitindo uma imagem mais humana e próxima dos seguidores.

5 – Interaja com os seguidores

O ponto mais importante da presença digital é interagir com o público. Tudo o que está sendo feito é para eles, portanto, é essencial que a marca responda os clientes, tire dúvidas e até receba críticas pelas redes sociais. Outra maneira legal de interação é divulgar no perfil da empresa fotos e vídeos de consumidores utilizando a marca e fazendo propaganda espontânea dela.

Gostou das dicas? Tem algo a acrescentar? Conta pra gente nos comentários.

 

Cinco empresas brasileiras compradas por estrangeiros

Não é de hoje que estrangeiros estão de olho no mercado brasileiro. Nos últimos anos, diversas empresas brasileiras foram compradas por empresas do exterior. Nós separamos cinco casos para você. Confira:

Aplicativo 99

2018 começou com a notícia de que a Didi Chuxing, empresa que presta serviços de carros particulares e grande rival da Uber, comprou o aplicativo 99 por R$ 960 milhões. O negócio trouxe ao Brasil, pela primeira vez, a startup unicórnio, nome dado às empresas que atingem o valor de US$ 1 bilhão em valor de mercado.

As empresas já tinham uma parceria no início de 2017, quando a Didi Chuxing investiu R$ 320 milhões na 99. Esse foi um dos maiores investimentos em startups brasileiras. A venda da 99 permitirá a expansão do aplicativo pela América Latina.

Catho

Em 2016 o grupo australiano Seek comprou a plataforma de anúncios de vaga de emprego Catho por R$ 78,8 milhões de dólares. A Brasil Online Holdings (dona da Catho) e o grupo Seek também já tinham uma parceria, que começou em 2008, em que o Seek colaborava com 30% do capital da companhia.

Netshoes

Por 135 milhões de reais investidos na Netshoes, loja virtual que vende artigos esportivos, a Temasek, holding do governo de Cingapura, tornou-se sócia da Netshoes.

XPRO

A empresa de equipamentos médicos, XPRO, que representa cerca de 35% desse mercado no Brasil, foi vendida para a empresa GE Healthcare, que trabalha no mesmo ramo. O valor da negociação não foi divulgado.

Buscapé

91% do site de comparações de preços, Buscapé, foi vendido para a empresa sul-africana Narpers, maior grupo de mídia da África. A transação teve o valor de US$ 342 milhões. Embora a maior parte do site agora seja da Naspers, o Buscapé pode manter sua equipe administrativa.

 

 

 

 

 

 

 

Facebook ganha um “Feed de Exploração”

A novidade para os 2 bilhões de usuários do Facebook se chama “Feed de exploração”. Essa nova função foi criada para ajudar os usuários a descobrirem, além da sua linha do tempo, novos conteúdos disponíveis na rede social.

Esse recurso, por enquanto, está disponível apenas para dispositivos móveis, mas logo deve chegar para a versão desktop.

Para utilizá-lo no Facebook, basta clicar no ícone de “três risquinhos”. Pelo iOS basta clicar no ícone que está no canto inferior direito. No Android, no canto superior direito. A inteção dessa nova função é mostrar as “Publicações mais relevantes para você, de todo o Facebook”.

Portanto será possível encontrar vídeos, fotos e outros materiais que estão fazendo sucesso na rede social.  Cada usuário terá uma ordem diferente e posts específicos no Feed de Exploração, já que a linha do tempo é construída a partir de um algoritmo, que mede o tipo de conteúdo daquela usuários, e também a de seus amigos.

O “Feed de Exploração” de acordo com o Facebook ainda está na fase de testes. “Ouvimos dos usuários que eles querem um jeito simples de explorar conteúdo com o qual ainda não estão conectados”, disse o porta-voz da empresa.