Novidade: WhatsApp irá exibir anúncios no Status

Chris Daniels, vice-presidente do WhatsApp, confirmou na última quarta-feira, 31, que o serviço de mensagens passará a exibir anúncios ao lado do já popular recurso Status.

Utilizado também nas demais plataformas pertencentes ao Facebook, como a versão Stories do Instagram, o Status exibe durante 24 horas, para todos os contatos, uma combinação de texto, fotos e vídeos.

Implementado no WhatsApp no início de 2017, o recurso conta hoje com cerca de 450 milhões de usuários ativos diariamente, se tornando, portanto, uma boa ferramenta para empresários e para a publicidade.

A mudança pode ser uma estratégia do Facebook de monetizar o serviço, já que os usuários não pagam para usar o aplicativo, e de variar suas fontes de renda através do próprio WhatsApp e das demais ferramentas como Messenger e Instagram.

De acordo com os últimos relatórios da rede social, a tendência é que a base de usuários do Facebook sofra estagnação e até mesmo queda em determinadas regiões, resultando nessa busca por alternativas de faturamento nas demais plataformas da corporação.

 

Como proteger a sua conta do WhatsApp para não ser invadida

Cada vez mais os usuários na internet sofrem por ter as suas contas invadidas. No caso do WhatsApp, alguns descuidos na hora de usar o aplicativo pode facilitar a invasão.

Durante a campanha presidencial desse ano, muitas pessoas entre elas jornalistas e políticos, tiveram as suas contas hackeadas, fazendo com que a Polícia Federal iniciasse uma investigação para descobrir os autores da ação.

Mas muitas pessoas ainda se perguntam: É possível invadir uma conta de WhatsApp? Sim, é possível! Por isso separamos algumas dicas do Hacker e Especialista da Informação Igor Rincon, para evitar que isso aconteça. Ele também explica como os invasores agem:

Troca de número do WhatsApp: Nesse caso é enviado via SMS um código que aparece na tela do celular como uma notificação. Caso o invasor tenha acesso físico ao celular da vítima, ele pode pegar a sequência numérica e entrar na conta.

WhatsApp Web: Se uma pessoa tiver acesso ao celular desbloqueado, ela consegue habilitar o WhatsApp Web em outro computador e, com isso, abrir as conversas e os históricos sem alertar o dono da conta.

Programa Malicioso: A pessoa pode instalar um programa no aparelho. Se for o caso de um malware, é possível acessar as fotos do celular e outras informações privadas que estão salvas fora do WhatsApp.

Existem também golpes sofisticados que podem roubar registros do WhatsApp e até clonar o chip da vítima.

Como se proteger

O WhatsApp oferece um recurso de segurança com verificação que pode ser habilitado em duas etapas. Toda vez que o aplicativo for ativado em outro celular, ele vai pedir um código de seis dígitos.

Também é possível mudar as configurações para não exibir notificações do app na tela do celular.

Não clique em promoções enviadas pelo aplicativo e instale um antivírus.

Fonte: Portal R7

Google Lens: saiba o porquê você não pode deixar de fazer o download

Entre os 69 aplicativos elaborados pela Google, e disponíveis em sua loja digital para usuários de Android e iOS, destaca-se mais um: o Google Lens.

Trata-se de uma inteligência artificial que, a partir da câmera de seu celular, é capaz de ler, e interpretar, imagens e textos e buscar informações correspondentes na internet.

Basta mirar o dispositivo fotográfico de seu smartphone e pronto! Essa ferramenta te ajudará a traduzir frases – ou copiá-las e colá-las em seu celular –, a procurar por produtos semelhantes na web, a pesquisar por avaliações, ou informações, sobre um estabelecimento comercial ou, ainda, identificar espécies de plantas e animais. Como demonstram as fotos a seguir.

Tudo isso com apenas um click!

Como tê-lo

Criado em maio de 2017, o Google Lens já dispõe de uma versão em português e pode ser adquirido gratuitamente na Google Play. Celulares com sistema operacional móvel Android podem apenas solicitar a atualização deste aplicativo.

E aí? Gostou dessa novidade? Para mais conteúdos como este basta continuar acompanhando o nosso blog.

Facebook lança novo layout para fanpages semelhante ao do Orkut

Após inspirar-se na interface do Instagram, o Facebook lançou um novo layout para páginas empresariais em desktop semelhante ao do Orkut e que deve ser implementado oficialmente no Brasil nesta sexta-feira, dia 24 de agosto.

Denominada popularmente de orkutização, essa transformação na maior rede social do mundo recebeu imagens de capa maiores e botões de ação mais proeminentes – tudo para facilitar a interação do usuário com determinada empresa e/ou marca.

Além disso, informações do user como sobre, fotos e vídeos, eventos, locais, comunidade e demais aplicativos da instituição foram realocados abaixo de seu nome – assim como era no Orkut. Compare abaixo:

Outras semelhanças com a falecida rede social estão na disposição de quem curtiu a página, alocadas à direita – assim como encontrava-se a sessão de amigos do Orkut – e quanto as demais informações de ambas redes sociais, que ficam no centro das páginas.

Tudo indica que essas mudanças serão aplicadas definitivamente no Brasil até o final deste mês.

 

 

 

Instagram: 5 passos para utilizá-lo a favor da sua empresa

O Instagram, famosa rede social de compartilhamento de fotos e vídeos, soma atualmente mais de 800 milhões de usuários. Acumulando outros números exorbitantes, o aplicativo já demonstrou que tem potencial para ser a rede social mais utilizada do mundo.

E com adesão cada vez mais crescente, o Instagram é uma excelente ferramenta para empresários e comerciantes que desejam ter presença nas redes e atrair mais clientes.

O fato da internet estar totalmente presente no dia a dia das pessoas só evidencia que empreendimentos que não investem em comunicação online perdem muito em conquistar novos públicos e criar uma marca própria, afinal, quem não é visto não é lembrado. Portanto, vale utilizar as ferramentas do online em benefício do seu negócio.

Através do marketing digital – ações de comunicação praticadas no meio digital, com o propósito de estabelecer novos negócios, divulgar e comercializar produtos, conquistar novos clientes e melhorar relacionamentos – é possível ganhar visibilidade e desenvolver uma identidade forte de marca.

Com as dicas a seguir você vai aprender como utilizar o Instagram a favor da sua empresa.

1 – Crie um perfil

O primeiro passo é não usar contas pessoais, e sim abrir um perfil próprio para a marca. Coloque as principais informações, como site, telefone e apresentação da empresa na descrição, e adicione seu logotipo na foto de perfil. Definindo uma personalidade e estética para a marca, fica mais fácil os usuários se identificarem com seu negócio.

2 – Use imagens de boa qualidade

O Instagram é uma rede de compartilhamento de fotos e vídeos, portanto, a estética é o carro-chefe. Publique imagens de qualidade e com boa definição, pois perfis organizados e com conteúdos significativos transmitem maior profissionalismo.

3 – Use #hashtags

#Hashtags são palavras-chave que indexam todo conteúdo similar em um só lugar, e utilizar esse artifício ajuda clientes em potencial a encontrarem sua marca. É interessante também criar uma #hashtag única para sua empresa e adicioná-la na legenda das postagens, mas fique atento para não cometer excessos.

4 –  Utilize a ferramenta Stories

Função que exibe postagens durante 24 horas, e depois as apaga, o Stories é uma ótima ferramenta para as empresas mostrarem um pouco do seu dia a dia, dos bastidores do negócio e realizarem pesquisas de opinião, transmitindo uma imagem mais humana e próxima dos seguidores.

5 – Interaja com os seguidores

O ponto mais importante da presença digital é interagir com o público. Tudo o que está sendo feito é para eles, portanto, é essencial que a marca responda os clientes, tire dúvidas e até receba críticas pelas redes sociais. Outra maneira legal de interação é divulgar no perfil da empresa fotos e vídeos de consumidores utilizando a marca e fazendo propaganda espontânea dela.

Gostou das dicas? Tem algo a acrescentar? Conta pra gente nos comentários.

 

Seu post foi banido? Saiba o que não pode ser publicado no Facebook

Teve seu post banido?

Pela primeira vez, desde a sua concepção em 2004, o Facebook abriu o jogo sobre suas diretrizes internas e revelou, por meio de um documento com 27 páginas, os critérios de avaliação adotados para banir, ou não, um post ou usuário. Além das regras de conduta, a rede social lançou um recurso para a apelação de publicações removidas pelo site, quando consideradas inapropriadas. Assinada pela vice-presidente internacional de políticas públicas do Facebook, Monika Bickert, a declaração pode ser acessada por todos, em sua integra, na sessão padrões da comunidade, no Facebook.

Por que publicadas agora?

Segundo a autora do documento, a divulgação das diretrizes internas da rede social se deu por dois motivos: auxiliar os usuários a compreenderem como a equipe de revisores de conteúdo – que conta com mais de sete mil funcionários alocados em 11 escritórios pelo o mundo – determina o que é inapropriado para o feed de notícias e abrir espaço para feedbacks, descomplicando o processo de uso da ferramenta por todos.

O que mudou?

Agora, o Facebook permite que seus utilizadores recorram quando seus posts são apagados. Essa opção já existia antes, mas apenas para casos de suspensão de perfis, páginas ou grupos. A partir deste momento, será possível pedir a revisão de conteúdos inapropriados e removidos por violarem regras relativas a nudez, atividade sexual, discursos de ódio e violência explícita.

O pedido será analisado em até 24 horas. Se a censura for indevida, a publicação voltará ao feed de notícias e o autor do conteúdo será notificado. As consequências da violação dos padrões de comunidade do Facebook variam de acordo com a gravidade da postagem e com o histórico do usuário.

O indivíduo pode ser notificado até duas vezes e, se persistir em violar as diretrizes do Facebook, seu post ou perfil serão desativados pelo site. Em casos de ameaça direta à segurança pública, ou riscos reais ao demais indivíduos, até as autoridades policiais poderão ser notificadas.

Afinal, o que não pode ser postado no Facebook?

De modo geral, publicações de violência, nudez, atividades sexuais, bullying ou fake news são comumente vetadas pelo Facebook.

Nudez. É rigorosamente proibido o compartilhamento de imagens intimas de terceiros – com ou sem sua autorização – independente da finalidade com elas. Fotos de partos e amamentação, além de nus artísticos, incluem-se neste caso: só serão aceitas quando as partes íntimas forem censuradas.

Violência. Indivíduos ou organizações envolvidas em atividades criminosas não são permitidos na rede social. Portanto, publicações que exibem, admitem ou exaltem atos infracionais – como agressões físicas contra pessoas e animais, furtos, vandalismos, fraudes, tráfico e violência ou exploração sexual – também serão retirados do ar.

Bullying e suicídio. A plataforma também tem a capacidade de identificar potenciais suicidas ou pessoas com intenções de se machucar. Nesses casos, o Facebook analisa o cunho de suas publicações, notifica o usuário e, ainda, lhe oferece apoio. De qualquer forma, publicar fotos de acidentes ou ferimentos vai contra as políticas de publicação da rede e esse conteúdo poderá ser removido.

Fake news e spam. Não passarão. O site consegue verificar a repetição de um link – caracterizando-o como spam – e de checar a veracidade de notícias compartilhadas, excluindo ambos os casos.

Direitos autorais. Ferir a propriedade intelectual de alguém, ao publicar algo protegido pelos direitos autorias sem os devidos créditos ou autorização, também é proibido.

Ainda tem dúvidas sobre o que não postar? Pergunta pra gente nos comentários!

Instagram está bloqueando usuários. Saiba como agir

O Instagram é um aplicativo exclusivo para postar fotos, vídeos e stories. Atualmente, cerca de 800 milhões de pessoas no mundo todo utilizam o app. Muitos dos usuários, embora tenham um perfil não comercial, acabam utilizando a rede social para comercializar produtos. Além disso, alguns desses perfis fazem promoções para que os usuários ganhem algum prêmio.

As promoções, embora sejam excelente para vendedor e consumidor, podem ser um dos motivos para o Instagram bloquear contas, já que na maioria das promoções pede para que o usuário marque ao menos outro usuário por comentário. Isso afeta diretamente nos bloqueios, porque agora o Instagram está analisando perfis que fazem comentários muito parecidos ou iguais em diferentes fotos. Outro motivo para bloqueio é seguir e logo em seguida dar unfollow, além de curtir várias postagens em um curto período. Usar aplicativos que geral likes (curtidas) ou angariam seguidores também pode gerar o bloqueio.

Por que o Instagram está fazendo isso?

Todas as ações citadas acima são muito parecidas com spam. Então quando o Instagram faz essa análise, o app pode achar que o perfil está cheio de spam e por isso bloqueia. Este bloqueio pode durar apenas um dia ou semanas. Durante esse período o usuário não consegue postar, curtir e comentar nada. Apenas visualizar.

Como evitar?

Se você usa o perfil para comércio, não precisa parar de fazer promoções. No entanto precisa tomar cuidado na hora de usar os bot’s que geram o aumento de curtida nos posts ou angariam novos seguidores. No caso de quem é usuário do app, o cuidado é, principalmente, fazer comentários repetitivos em posts diferentes ou, ainda, sair curtindo tudo no seu feed.

Fui bloqueado. O que fazer?

O tempo de bloqueio varia conforme o usuário. O primeiro passo é entrar em contato com o Instagram. Para isso, vá para o seu perfil, entre no menu que vai para as configurações e clique em “relatar um problema”. Lá você poderá contar o que ocorreu. Depois é esperar a resposta do app.

Se você usa muito essa rede social e precisa desbloqueá-la com urgência, é possível tentar (sem garantia de que realmente vá funcionar para você) desinstalar o app do seu celular e baixar novamente. Se você usa Wi-Fi para acessar o Instagram, outra opção é, enquanto estiver bloqueado, utilizar a rede de dados móveis.

Você tem algum app para aumentar likes e seguidores? Desinstale e, de preferência, não use mais nessa conta.

Percebeu que foi bloqueado? Tente ficar um dia sem entrar no app. Isso facilita a avaliação do Instagram na hora de desbloquear a sua conta.

 

Tem alguma dúvida? Poste nos comentários que tentaremos ajudar você!

 

Quatro tendências de social media para 2018

As redes sociais estão em constante mudança e é fundamental estar sempre atualizado, sabendo tudo o que está mudando ou surgindo. Principalmente para quem trabalha nessa área, estar atento às mudanças é imprescindível.

Em 2017 muita coisa cresceu no mundo das mídias sociais, como a explosão de conteúdo audiovisual em algumas mídias, como o Instagram e Facebook, e o fato do alcance orgânico dessas redes ter sido prejudicado, devido as atualizações dos algoritmos. Com isso, as marcas precisaram inovar sua comunicação, investindo em anúncios, para conseguir trazer mais seguidores para sua rede.

O fato é que o mundo de social media está mudando com rapidez e a cada dia fica mais difícil manter uma rede social atualizada, com seguidores ativos e uma boa comunicação. Por isso, nós separamos pra você algumas tendências para este ano de 2018. Dessa forma você já pode planejar a estratégia da sua empresa. Confira:

Grupos em redes sociais

Ano passado os grupos já estavam sendo usados pelas empresas. De um jeito simples, a marca cria um grupo no Facebook ou Linkedin, traz participantes para este grupo, cria uma comunicação boa e ativa e, com isso, consegue angariar novos seguidores e manter por mais tempo os que já acompanhavam a página da marca. Para este ano os grupos serão grandes aliados das empresas e podem fortalecer a relação entre marca e consumidor. Para isso, é de extrema importância planejar tudo com calma e criatividade. Ou seja: uma boa identidade visual; produção de conteúdo dinâmica e ativa; vídeos bem produzidos e, claro, interação.

Espaço para o seguidor

O seguidor gosta de ser visto. Por isso, dê atenção a eles. Isso pode ser feito de um jeito simples: publicar o conteúdo que o seu seguidor fez para a sua empresa. Por exemplo, postar no Instagram da sua empresa as fotos que os seguidores tiraram e enviaram para você. Isso é uma maneira de mostrar que sua empresa se importa com os clientes e que está sempre atento a tudo que recebe deles.

Produção de vídeos

Os vídeos mudaram muito e para este ano, as mudanças irão continuar. As redes sociais são dinâmicas e os usuários adoram produção audiovisual. No entanto, para que os internautas vejam os vídeos, é preciso produzir algo criativo e não muito longo, pois geralmente, os usuários não assistem vídeos maiores que 30 segundos. O destaque para 2018 são os stories, que podem ser utilizados tanto no Facebook como no Instagram.

Mobile

Não é novidade que a cada dia aumenta o número de pessoas que usam smartphone. Porém um defeito da maioria das empresas que estão nas redes sociais é produzir um conteúdo exclusivo para a plataforma do computador, se esquecendo que, na verdade, a maioria dos internautas acessa os conteúdos pelo celular. Quem não inovar a comunicação para esta ano, ficará para trás.

E aí, pronto para inovar nas redes sociais em 2018?

Acompanhe nosso blog e fique por dentro do mundo digital!

Cinco empresas brasileiras compradas por estrangeiros

Não é de hoje que estrangeiros estão de olho no mercado brasileiro. Nos últimos anos, diversas empresas brasileiras foram compradas por empresas do exterior. Nós separamos cinco casos para você. Confira:

Aplicativo 99

2018 começou com a notícia de que a Didi Chuxing, empresa que presta serviços de carros particulares e grande rival da Uber, comprou o aplicativo 99 por R$ 960 milhões. O negócio trouxe ao Brasil, pela primeira vez, a startup unicórnio, nome dado às empresas que atingem o valor de US$ 1 bilhão em valor de mercado.

As empresas já tinham uma parceria no início de 2017, quando a Didi Chuxing investiu R$ 320 milhões na 99. Esse foi um dos maiores investimentos em startups brasileiras. A venda da 99 permitirá a expansão do aplicativo pela América Latina.

Catho

Em 2016 o grupo australiano Seek comprou a plataforma de anúncios de vaga de emprego Catho por R$ 78,8 milhões de dólares. A Brasil Online Holdings (dona da Catho) e o grupo Seek também já tinham uma parceria, que começou em 2008, em que o Seek colaborava com 30% do capital da companhia.

Netshoes

Por 135 milhões de reais investidos na Netshoes, loja virtual que vende artigos esportivos, a Temasek, holding do governo de Cingapura, tornou-se sócia da Netshoes.

XPRO

A empresa de equipamentos médicos, XPRO, que representa cerca de 35% desse mercado no Brasil, foi vendida para a empresa GE Healthcare, que trabalha no mesmo ramo. O valor da negociação não foi divulgado.

Buscapé

91% do site de comparações de preços, Buscapé, foi vendido para a empresa sul-africana Narpers, maior grupo de mídia da África. A transação teve o valor de US$ 342 milhões. Embora a maior parte do site agora seja da Naspers, o Buscapé pode manter sua equipe administrativa.

 

 

 

 

 

 

 

Qual a melhor forma de usar uma hashtag?

A hashtag é aquela palavra chave que é antecedida pela cerquilha (#) utilizada em sites de mídias sociais e aplicativos da atualidade, principalmente no Twitter. O objetivo é identificar mensagens sobre um assunto específico. Pode-se dizer também que as hashtags são termos associados a assuntos ou discussões que pretender indexar nas redes sociais.

No Instagram, Facebook e Twitter, quando uma publicação é feita com a hashtag, a mesma se transformar em um hiperlink que leva o usuário para um outra pagina com outras publicações relacionadas ao mesmo assunto, mesma palavra.

Apesar de parecer um pouco óbvio, esse recurso possui algumas dicas para obter melhores resultados, pois se forem utilizadas de forma correta e com critério, ajudam as pessoas a encontrarem as páginas com mais facilidade, criando maior engajamento.

Não use muitas palavras juntas  

Quando a hashtag tem é escrita com muitas palavras juntas acaba dificultando a leitura dos seus seguidores. Os espaços entre as palavras servem para dar um respiro na leitura, quando não existem, as palavras acabam se misturando, dessa forma o leitor demora mais tempo para entender o que foi escrito.  Caso realmente precise usar mais de uma palavra, inicia cada uma com a letra maiúscula.

Não uso uma hashtag para cada palavra na frase

Utilizar uma hashtag para para palavra de uma frase também pode prejudicar a leitura, pois dessa forma coloca pausas demais. Separe as palavras chaves do seu texto, colocando-as no final. Você pode colocá-la também no meio de uma frase.

Relacione as hashtags com seu post

Não exagere na quantidade. O recurso facilita as busca de outros usuários, por isso não devem ser utilizados para descrever ou destacar tudo o que aparece no texto ou na imagem. Então as hashtags devem ter relação com o post.

No Marketing Digital, uma vez que seus perfil nas redes sociais sejam públicos, usar a hashtag torna os posts visíveis para tosos que tem os mesmos interesses, dessa forma as publicações não ficam restritas apenas ao seus seguidores. Por isso, selecionar bem as palavras chaves pode aumentar o alcance das suas publicações nas redes.

Utilize-as também para ações específicas, como promoções e sorteios, assim pode gerar maior engajamento com os seguidores. Além disso, lembre-se de pesquisar quais são as hashtags adequadas para cada rede social, pois cada uma possui peculiaridades, como por exemplo a linguagem. No Twitter a ideia é mantê-las tão curtas já que cada publicação permite apenas 140 caracteres, já no Instagram, o espaço para o texto permite uma maior número.