Como proteger a sua conta do WhatsApp para não ser invadida

Cada vez mais os usuários na internet sofrem por ter as suas contas invadidas. No caso do WhatsApp, alguns descuidos na hora de usar o aplicativo pode facilitar a invasão.

Durante a campanha presidencial desse ano, muitas pessoas entre elas jornalistas e políticos, tiveram as suas contas hackeadas, fazendo com que a Polícia Federal iniciasse uma investigação para descobrir os autores da ação.

Mas muitas pessoas ainda se perguntam: É possível invadir uma conta de WhatsApp? Sim, é possível! Por isso separamos algumas dicas do Hacker e Especialista da Informação Igor Rincon, para evitar que isso aconteça. Ele também explica como os invasores agem:

Troca de número do WhatsApp: Nesse caso é enviado via SMS um código que aparece na tela do celular como uma notificação. Caso o invasor tenha acesso físico ao celular da vítima, ele pode pegar a sequência numérica e entrar na conta.

WhatsApp Web: Se uma pessoa tiver acesso ao celular desbloqueado, ela consegue habilitar o WhatsApp Web em outro computador e, com isso, abrir as conversas e os históricos sem alertar o dono da conta.

Programa Malicioso: A pessoa pode instalar um programa no aparelho. Se for o caso de um malware, é possível acessar as fotos do celular e outras informações privadas que estão salvas fora do WhatsApp.

Existem também golpes sofisticados que podem roubar registros do WhatsApp e até clonar o chip da vítima.

Como se proteger

O WhatsApp oferece um recurso de segurança com verificação que pode ser habilitado em duas etapas. Toda vez que o aplicativo for ativado em outro celular, ele vai pedir um código de seis dígitos.

Também é possível mudar as configurações para não exibir notificações do app na tela do celular.

Não clique em promoções enviadas pelo aplicativo e instale um antivírus.

Fonte: Portal R7

iPhone XR já chegou nos EUA com o valor mais barato da linha atual

A Apple já começou a vender o novo iPhone XR nos Estados Unidos e também na China. Da atual linha da empresa, essa é a versão mais barata com o preço de U$$ 749.

Esse novo modelo de iPhone foi apresentado em setembro do ano passado e ainda não há informações sobre quando o XR chegará no Brasil, mas a Apple já adiantou que por aqui ele vai ser vendido a partir de R$ 5.199.

Sobre o XR

O aparelho é feito em alumínio aeroespacial, tem uma tela de 6,1 polegadas e está disponível nas cores branca, preta, amarela, vermelha, azul e coral. O XR tem o display LCD mais avançado da indústria, com um novo design de retroiluminação que possibilita ampliar a tela até a borda. A parte de trás em vidro permite recarregar sem fio. O aparelho conta ainda com Face ID Avançado e um sistema de câmera inovador.

Essa nova linha chega para substituir o iPhone 8, iPhone X e iPhone 8 Plus.

Os fãs da marca aguardam ansiosos pelo lançamento no Brasil!

Conheça os multiusos do drone

Desde seu surgimento, a tecnologia é utilizada para inovar produtos, facilitar processos e melhorar o dia a dia da sociedade. Ideias como a máquina a vapor, a locomotiva, o telefone, o motor, e mais recentes como o GPS e o smartphone, são exemplos de inovações tecnológicas que mudaram o rumo das civilizações e trouxeram muitas melhorias na vida das pessoas.

A mais recente inovação tecnológica que virou febre ao redor do mundo é o chamado drone. Definido como um veículo aéreo não tripulado e controlado por controle remoto, o drone surgiu como uma alternativa na realização de trabalhos de alto risco para os humanos, ou em locais de difícil acesso.

Logo no seu surgimento, os drones eram utilizados para fins militares, como no reconhecimento de áreas, espionagem e envio de mensagens, mas com o passar dos anos eles tornaram-se populares e ganharam dezenas de outras funções. Hoje, a ampla variedade desses produtos no mercado com vários modelos e preços diferentes possibilitou que o grande público tivesse acesso à essa tecnologia.

Também conhecidos como VANTs (veículos aéreos não tripulados), os drones evoluíram de modelos usados apenas para capturar imagens e gravar vídeos, para veículos mais resistentes e autônomos.  

Dentre as muitas funções que os drones adquiriram atualmente, pode-se citar algumas como:

  • Entrega de encomendas: Empresas como Amazon e Domino’s já usaram drones na entrega de encomendas e pedidos. Visando agilizar os processos, os drones prometem um delivery rápido e eficiente, sem atrasos devido ao trânsito ou outros empecilhos típicos das cidades.
  • Uso na agricultura: Muito úteis no ramo da agricultura, esses robôs por controle remoto podem analisar áreas de grandes dimensões, como os campos de plantio, monitorar sistemas de irrigação e pulverizar substâncias usadas nas lavouras.
  • Operações de salvamento: A facilidade de circulação dos drones é uma vantagem utilizada em resgates e operações de busca. Equipados com sensores de calor e câmeras noturnas, esses veículos conseguem transitar em áreas irregulares ou cenários de destruição e desastres.
  • Monitoramento de vida selvagem: Monitorar bandos, animais selvagens ou com hábitos noturnos são tarefas que os drones conseguem executar. O controle remoto desses dispositivos é ideal para funcionar em situações em que a presença humana não é bem vinda, como no acompanhamento da vida selvagem.
  • Publicidade: Usados em ações de marketing e publicidade, os drones podem fotografar cenários, gravar eventos ou cenas e produzir imagens de ângulos diferentes, despertando a atenção das pessoas e de possíveis clientes.

Com esses diversos usos, o drone já se tornou um grande aliado na vida das pessoas, e como a tecnologia existe para nos auxiliar, qual será a próxima inovação? Para saber das próximas novidades, continue acompanhando nosso blog.  

 

GDPR: como ela interfere na sua privacidade

Certamente nesta semana sua caixa de e-mails lotou com mensagens de empresas e marcas atualizando suas políticas de uso e privacidade, não é mesmo? Mas não se assuste , isso é devido a GDPR! Esse fato ocorreu devido à aprovação pela Câmara dos Deputados do Projeto de Lei 4060/2012, do deputado federal Milton Antônio Casquel Monti, que visa regulamentar o uso de dados pessoais por iniciativas privadas, e também pelo poder público.

Mas o que é GDPR?

Derivada do termo em inglês General Data Protection Regulation – que em português significa Regulamento Geral de Proteção de Dados – GDPR é a sigla para lei assentida pelo Parlamento Europeu em abril de 2016, que substitui uma diretiva de 1995 para a gestão de dados de usuários nas empresas de internet, considerada desatualizada para o contexto de um mundo cada vez mais conectado, interligado e com um volume de dados crescente a cada ano.

Do que se trata?

Ela tem por objetivo garantir e proteger, no âmbito do tratamento de dados pessoais, a dignidade e os direitos fundamentais da pessoa natural, particularmente em relação a sua liberdade, privacidade, intimidade, honra e imagem.

Ou seja, a ideia é garantir mais transparência, segurança, privacidade e controle quanto à coleta e manutenção de dados privativos. Informações como nome, endereço, e-mail, idade, estado civil, além de imagens recolhidas por reconhecimento facial ou gravações de chamadas telefônicas, números de IP e histórico de geolocalização serão legais apenas com o consentimento explícito do individuo.

Afinal, quais são as diretrizes?

O uso permitido de dados pessoais foi categorizado em dez situações, são elas:

  • Com o consentimento do titular.
  • Para o cumprimento de uma obrigação legal ou regulatória.
  • Pela administração pública, para a execução de políticas públicas.

No caso destes dois tópicos, o usuário deve ser informado para que fim suas informações serão utilizadas. Nos casos de contratos de adesão, como em download de aplicativos, a empresa deve dar destaque para essas finalidades.

  • Para a realização de estudos por órgãos de pesquisa, sem a individualização da pessoa.
  • Para a proteção da vida ou da integridade física do titular ou de um terceiro.
  • Para a tutela da saúde, com procedimento realizado por profissionais da área ou entidades sanitárias.
  • Para a execução de um contrato ou de procedimentos preliminares relacionados, a partir de pedido do titular.
  • Para pleitos em processos judiciais, administrativos ou arbitrais.
  • Para proteção de crédito, nos termos do Código de Defesa do Consumidor.
  • Para atender aos interesses legítimos do responsável ou de terceiros, como fins comerciais e marketing dirigido – esta, aliás, é a mais utilizada.

Isto é

Essas diretrizes também valem para instituições que atuam e/ou coletam informações, como o Facebook, a Google e a Apple. Em casos de conteúdo reunido por pessoas físicas para objetivos exclusivamente pessoais, jornalísticos, artísticos e acadêmicos elas não contam.

Punições

Qualquer companhia que viole o GDPR será multada em 4% do seu faturamento anual ou US$ 20 milhões – o que for maior. Embora provindo da União Europeia, o regulamento vale para qualquer instituição que oferece os seus serviços na Europa.

 

 

Como se destacar no Linkedin? Confira dez dicas para obter sucesso na rede social corporativa

Descubra agora como se destacar no Linkedin!

Hoje em dia as pessoas usam muito as redes sociais para o lazer. Compartilhar momentos e aproximar pessoas é a proposta da grande maioria dessas redes, como, por exemplo, Facebook, Instagram, Twitter, Pinterest e Tumblr, algumas das maiores plataformas do mundo virtual.

Mas, o LinkedIn, em especial, é diferente. Rede social de negócios lançada em 2003, tem como objetivo estabelecer conexões profissionais. Através da criação de um perfil na plataforma, o usuário monta seu currículo virtual, adiciona pessoas e estabelece um networking online.

E se tratando de uma ferramenta tão importante e popular – com mais de 225 milhões de membros –, é necessário que o usuário saiba fazer uso do LinkedIn da melhor forma possível, pois qualquer deslize pode custar uma vaga de emprego.

Dessa maneira, nós selecionamos dez dicas para você melhorar seu perfil e aproveitar ao máximo os benefícios dessa rede social.

1 – Adicione uma foto de perfil
Para se destacar no linkedin, os recrutadores e as empresas, a imagem pessoal conta muito, por isso, é importante apresentar uma foto de perfil que seja profissional e adequada a sua profissão.

2 – Personalize a URL
Para se destacar nas ferramentas de busca, e deixar a URL mais agradável, – eliminando aquela sequência de letras e números aleatórios –, personalize o link do seu endereço de perfil com nome e sobrenome.

3 – Escreva um resumo
Quanto mais completa for sua página no LinkedIn mais interesse ela despertará nos recrutadores, por isso, aproveite para adicionar um bom resumo ao seu perfil. Crie um pequeno texto para se apresentar, falar sobre seus interesses e habilidades, além de explicar seus objetivos profissionais.

4 – Apresente seu currículo
Um dos pontos mais fortes de um perfil no LinkedIn é a formação acadêmica. Por isso, aproveite essa ferramenta para expor seus certificados, diplomas e outras certidões que contribuíram para sua carreira.

5 – Invista nas palavras-chave
Selecione algumas palavras que se relacionem com sua profissão, personalidade ou experiência profissional, e as utilize ao longo do perfil. As chamadas palavras-chave (liderança, SEO, Microsoft Office, etc.), são formas eficientes de alavancar seu perfil nas ferramentas de busca do Google.

6 – Crie um perfil em outro idioma
Falar outra língua atualmente já não é mais um diferencial, e grande parte das empresas, principalmente as multinacionais, procuram um profissional bilíngue, portanto, adicione um perfil em outro idioma à sua página no LinkedIn. Em muitos casos o recrutador pode procurar por palavras-chave em inglês, por exemplo, e se o seu perfil estiver em inglês, as chances de você ser encontrado por esse recrutador são maiores.

7 – Acrescente links para outras redes sociais
Para facilitar a comunicação, – já que o LinkedIn não é a melhor plataforma para bate-papos –, e até fornecer mais dados sobre você, adicione outros perfis à sua página profissional. Endereços de e-mail, Twitter, Facebook, e outras redes sociais podem ser associadas à sua conta.

8 – Mantenha o perfil atualizado
De nada adianta ter uma conta no LinkedIn, mas não atualizá-la regularmente. Pelo menos uma vez por mês é preciso movimentar o perfil, seja atualizando a foto de perfil ou de capa, ou adicionando uma habilidade nova.

9 – Exerça a pró-atividade
Siga empresas de seu interesse, interaja com suas conexões, publique textos de sua autoria, pesquise sobre profissionais que você admira e tente fazer um contato com essas pessoas, torne-se visível para os recrutadores.

10 – Cuide da escrita
Por ser essencialmente textual, o LinkedIn exige dos profissionais uma habilidade extra com a língua portuguesa. Erros de português como acentuação, concordância e gramática somam pontos negativos à avaliação dos recrutadores.

Gostou das dicas? Que tal colocá-las em prática hoje mesmo e dar um up no seu perfil profissional? Utilizando corretamente todas as ferramentas que o LinkedIn oferece, você traça seu próprio caminho para o tão sonhado sucesso profissional.

 

Cinco empresas brasileiras compradas por estrangeiros

Não é de hoje que estrangeiros estão de olho no mercado brasileiro. Nos últimos anos, diversas empresas brasileiras foram compradas por empresas do exterior. Nós separamos cinco casos para você. Confira:

Aplicativo 99

2018 começou com a notícia de que a Didi Chuxing, empresa que presta serviços de carros particulares e grande rival da Uber, comprou o aplicativo 99 por R$ 960 milhões. O negócio trouxe ao Brasil, pela primeira vez, a startup unicórnio, nome dado às empresas que atingem o valor de US$ 1 bilhão em valor de mercado.

As empresas já tinham uma parceria no início de 2017, quando a Didi Chuxing investiu R$ 320 milhões na 99. Esse foi um dos maiores investimentos em startups brasileiras. A venda da 99 permitirá a expansão do aplicativo pela América Latina.

Catho

Em 2016 o grupo australiano Seek comprou a plataforma de anúncios de vaga de emprego Catho por R$ 78,8 milhões de dólares. A Brasil Online Holdings (dona da Catho) e o grupo Seek também já tinham uma parceria, que começou em 2008, em que o Seek colaborava com 30% do capital da companhia.

Netshoes

Por 135 milhões de reais investidos na Netshoes, loja virtual que vende artigos esportivos, a Temasek, holding do governo de Cingapura, tornou-se sócia da Netshoes.

XPRO

A empresa de equipamentos médicos, XPRO, que representa cerca de 35% desse mercado no Brasil, foi vendida para a empresa GE Healthcare, que trabalha no mesmo ramo. O valor da negociação não foi divulgado.

Buscapé

91% do site de comparações de preços, Buscapé, foi vendido para a empresa sul-africana Narpers, maior grupo de mídia da África. A transação teve o valor de US$ 342 milhões. Embora a maior parte do site agora seja da Naspers, o Buscapé pode manter sua equipe administrativa.

 

 

 

 

 

 

 

Tendência de marketing digital para 2018

O ano de 2018 está próximo e agora é a hora de planejar a estratégia e estabelecer metas para sua empresa. E quando o assunto é mudança e inovação, não podemos deixar de lado o planejamento do marketing digital. É fundamental estar atendo às mudanças e tendências do mercado. O ideal é fazer uma análise de tudo que foi (e não foi) feito em 2017; perceber o que deu certo e o que pode ser melhorado e, então, aplicar para 2018.

Num mundo onde a tecnologia cresce e ganha espaço, é preciso que os empreendedores inovem e busquem maneiras de se manter no mercado. Por isso, saber como investir em marketing digital é fundamental e precisa ser uma das prioridades de uma empresa.

Para facilitar um pouco, preparamos algumas dicas de marketing digital para que você comece 2018 em bom estilo!

  1. Marketing de Conteúdo

Saber o que, como e quando dizer algo é imprescindível. É por meio do marketing de conteúdo que as redes sociais, textos para sites e blogs e e-mail marketing são alimentados. Essa estratégia é fundamental para a visibilidade da empresa. Para que isso ocorra da maneira correta, o ideal é contratar profissionais capacitados, que irão trabalhar focados na divulgação da sua empresa. Além disso, para saber como trabalhar o marketing de conteúdo é preciso fazer um estudo de público, para saber qual é o público alvo da empresa e como atingi-los com o conteúdo.

  1. E-mail marketing segmentado

Quando se realiza um estudo de público, é possível planejar uma estratégia com conteúdo direcionado. Por exemplo, se o público alvo são mulheres, de 25 a 40 anos, o material enviado à elas será diferente caso o público alvo sejam homens de 40 a 65 anos. O e-mail marketing é uma das mais importantes ferramentas do marketing digital e, quando você segmenta o seu público, o e-mail marketing torna-se mais íntimo e atraente para quem o recebe.

  1. Invista em chats

O público quer atenção, resposta rápida e eficiente. Para isso, nada melhor do que investir nos chats, seja do Facebook, Instagram ou até mesmo pelo Whatsapp. O importante é ter um setor/pessoa responsável por atender a essa demanda. O ideal é informar ou, se necessário, resolver um problema do cliente. As redes sociais são ferramentas com grande poder, em que o público pode usar tanto para o bem, quanto para dar uma avaliação negativa de uma empresa. Por isso, investir nos chats é algo essencial, pois além de evitar problemas futuros, isso dará alguns pontos extras para a empresa e melhorará o relacionamento com os clientes.

  1. Vídeos

Não é de hoje que os internautas gostam mais de imagem do que texto. Esse é um dos motivos para os vídeos fazerem tanto sucesso. Por isso é inteligente aproveitar o sucesso dos vídeos para investir e adaptar isso para sua empresa. No marketing digital os vídeos funcionam muito bem, principalmente os que são feitos em tempo real. Pelas redes sociais, por exemplo, ao fazer uma live (vídeo em tempo real), é possível analisar o público que está acompanhando o vídeo e, além disso, usar a inteligência artificial de reconhecimento, capaz de analisar qual a recepção dos internautas.

Se você seguir essas dicas, com essas dicas com certeza sua empresa terá um grande avanço. Ficou com alguma dúvida? Pode entrar em contato com a gente pelo e-mail comercial@digideias.com.br. Até mais!

Você conhece o Adobe Muse?

Tendência nos últimos anos nas áreas de Degign, o Web Design ganhou recentemente um aliado, o Adobe Muse. Com o avanço da internet em todo o mundo, é fundamental e quase obrigatório para qualquer profissional ou empresa possuir um site.

No entanto muitos designers, mesmo tentam interesse nessa área, acham muito complicado ter que aprender as diversas linguagens que incorporam esse meio, como o HTML, CSS, JAVA SCRIPT, entre outros.

A Adobe lançou o Adobe Muse, uma ferramenta voltada para a criação de sites sem código, repleto de recursos especiais para a criação de sites com visual profissional e completo.

Inicialmente em 2011 foi lançando para testes uma versão beta do software, que foi passando por diversas modificações e certamente aqueles usuários que já usam outras ferramentas da Adobe, como o Photoshop e Illustrator, não devem sentir muitas dificuldades com a nova ferramenta.

O Adobe Muse se concentra em quatro etapas: planejamento, Design, Pré-visualização e Publicação. Antes mesmo da publicação, é possível ver e ajustar todo o site e fazer todos os ajustes e testes possíveis. Uma das maiores vantagens é o fato da criação de sites responsivos, ou seja, a adaptação para os dispositivos móveis.

Google lidera ranking de marcas mais influentes de acordo com brasileiros

Passando na frente de outras grandes marcas, o Google é a marca mais influente para os brasileiros. YouTube, Facebook, Microsoft, Samsgung, Nestlé, Netflix, Colgate, Havaianas e Caixa completam o ranking nessa ordem.  Na sua quinta edição, o “The Most Influential Brands”, da Ipsos, foi baseado em painéis online com mais de duas mil pessoas, apontando que as empresas de tecnologia se destacam entre a população brasileira.

A pesquisa foi realizada em outros 19 países e avalia as marcas e de que forma podem influenciar o comportamento e o dia a dia dos consumidores, levando em conta 57 atributos. Por exemplo, mede-se a empresa faz parte do cotidiano dos entrevistados, se entende realmente as necessidades dos consumidores, entre outros.

Segundo Leda Kayano, Managing Director da Ipsos Marketing, as gigantes da tecnologia lideraram o ranking por se destacaram principalmente no driver de Liderança e Inovação, o que representou 44% da influência. Demonstrando que os participantes da pesquisa elegeram aquelas marcas que estabelecem um vínculo de confiança e que através da tecnologia e de novos formatos de entretenimento transformam a vida dos brasileiros.

AutoDraw: ferramenta do Google que te ajuda a desenhar

Se desenhar não é o seu talento, o Google acabou de resolver esse problema ao lançar o AutoDraw. A nova ferramenta utiliza algoritmos de aprendizagem de máquinas para transformar desenhos amadores em profissionais.

Ao identificar o que o usuário esta tentando desenhar, o AutoDraw sugere uma série de imagens do seu banco de dados que podem ser inseridas. Ou seja, se você estiver tentando desenhar uma árvore, desenhos semelhantes pré-concebidos por artistas irão aparecer na tela. Caso alguma dessas imagens seja o que você procura, é só clicar em cima e o seu desenho será substituído.

A ferramenta abriga-se da mesma tecnologia do QuickDraw, um jogo de algoritmos de inteligência artificial que busca adivinhar o que as pessoas estão desenhando, no entanto, agora o usuário tem mais liberdade de criar.

O AutoDraw é uma ótima alternativa para quem precisa desenhar rapidamente, mas não possue talento ou paciência. Não precisa de registro e pode ser acessado em computadores e telefones móveis no endereço autodraw.com.

Confira como funciona assistindo ao vídeo: