Google Lens: saiba o porquê você não pode deixar de fazer o download

Entre os 69 aplicativos elaborados pela Google, e disponíveis em sua loja digital para usuários de Android e iOS, destaca-se mais um: o Google Lens.

Trata-se de uma inteligência artificial que, a partir da câmera de seu celular, é capaz de ler, e interpretar, imagens e textos e buscar informações correspondentes na internet.

Basta mirar o dispositivo fotográfico de seu smartphone e pronto! Essa ferramenta te ajudará a traduzir frases – ou copiá-las e colá-las em seu celular –, a procurar por produtos semelhantes na web, a pesquisar por avaliações, ou informações, sobre um estabelecimento comercial ou, ainda, identificar espécies de plantas e animais. Como demonstram as fotos a seguir.

Tudo isso com apenas um click!

Como tê-lo

Criado em maio de 2017, o Google Lens já dispõe de uma versão em português e pode ser adquirido gratuitamente na Google Play. Celulares com sistema operacional móvel Android podem apenas solicitar a atualização deste aplicativo.

E aí? Gostou dessa novidade? Para mais conteúdos como este basta continuar acompanhando o nosso blog.

Facebook lança ferramenta para marketing de influenciadores

O Brand Collabs Manager é a mais recente ferramenta do Facebook para alimentar o marketing de influenciadores digitais.

A plataforma ajuda a conectar marcas com criadores de conteúdo relevantes para seu público, permitindo encontrá-los através de fatores como idade, interesses, gênero, etc.   

Estes influenciadores possuem contas que podem chegar a oito milhões de seguidores, tendo suas informações disponíveis no sistema – o que facilita o encontro entre marca e influenciador.

O lançamento do Brand Collabs Manager no Facebook enfatiza o quão significante o marketing de influenciadores está se tornando. A vertente ganha espaço como um importante aspecto em qualquer estratégia de marketing digital.

O acesso ao Brand Collabs Manager ainda é limitado, porém a ferramenta estará disponível para todos os usuários em breve.

Caso você seja profissional de marketing, patrocinador ou tenha uma marca, pode se candidatar através do link.

Twitter testa novas funcionalidades

Visando promover mais interação e facilitar as conversas entre os usuários, Jack Dorsey, CEO do Twitter, anunciou no último dia 31 que a plataforma está testando novas funcionalidades chamadas de “responder thread” e “presença”.  

As ferramentas funcionarão da seguinte maneira: “responder thread” possibilitará que as respostas apareçam recuadas logo abaixo do tweet original, enquanto o modo “presença” indicará se o usuário está online na plataforma por meio de uma bolinha verde na imagem de perfil.  

Em seu perfil oficial no Twitter, Sara Haider, diretora de produto da empresa, publicou que as funcionalidades ainda estão em fase inicial de testes, e que a divulgação das informações foi feita apenas com o intuito de analisar as opiniões dos usuários da plataforma.

Sem data prevista para implantação, as mudanças deixarão o Twitter mais parecido com o Facebook, fato que dividiu os usuários. Enquanto alguns aprovam as alterações, outros demandam que a funcionalidade “presença” possa ser desabilitada quando desejado.

Apesar das críticas dos usuários comuns, as novas funcionalidades podem atrair para a plataforma uma parcela de empresas e empreendedores que desejam melhorar sua presença online e aumentar a interação com o extenso público jovem do Twitter.

Facebook lança novo layout para fanpages semelhante ao do Orkut

Após inspirar-se na interface do Instagram, o Facebook lançou um novo layout para páginas empresariais em desktop semelhante ao do Orkut e que deve ser implementado oficialmente no Brasil nesta sexta-feira, dia 24 de agosto.

Denominada popularmente de orkutização, essa transformação na maior rede social do mundo recebeu imagens de capa maiores e botões de ação mais proeminentes – tudo para facilitar a interação do usuário com determinada empresa e/ou marca.

Além disso, informações do user como sobre, fotos e vídeos, eventos, locais, comunidade e demais aplicativos da instituição foram realocados abaixo de seu nome – assim como era no Orkut. Compare abaixo:

Outras semelhanças com a falecida rede social estão na disposição de quem curtiu a página, alocadas à direita – assim como encontrava-se a sessão de amigos do Orkut – e quanto as demais informações de ambas redes sociais, que ficam no centro das páginas.

Tudo indica que essas mudanças serão aplicadas definitivamente no Brasil até o final deste mês.

 

 

 

Propaganda eleitoral na internet: o que pode e não pode

A cada quatro anos 200 milhões de brasileiros vão às urnas eleger o candidato ideal à presidência da república. São 13 políticos que, a partir do dia 16 de agosto, iniciarão as suas campanhas eleitorais a fim de conquistar a população e os seus votos.

E, devido às possibilidades de interação, segmentação do público-alvo e mediação dos resultados, a internet – principalmente as redes sociais – tem sido o meio preferido entre eles para a propagação e popularização de suas promessas.

Contudo, você sabia que existem regras quanto à veiculação de propaganda política e eleitoral online? Então, confira elas a seguir.

O que não pode

  • Fazer propaganda eleitoral, mesmo que gratuita, em sites da administração pública ou de pessoas jurídicas;
  • Fazer propaganda por meio de telemarketing, em qualquer horário;
  • Vender cadastro de endereços eletrônicos;
  • Atribuir de forma indevida a autoria de propaganda a outros candidatos, partidos ou coligações;
  • Criar ou utilizar perfis falsos para a veiculação de conteúdo;
  • Utilizar robôs que ampliam a visibilidade de informações, mas de forma distorcida.

Obs.: em casos de descumprimento, os candidatos podem ser punidos por multas que variam de cinco a 30 mil reais, além de processos criminal e civil.

O que pode

  • Manter sites do candidato, do partido ou da coligação, sendo o endereço eletrônico comunicado à Justiça Eleitoral e hospedado em provedor localizado no Brasil;
  • Enviar e-mails para endereços cadastrados gratuitamente pelo candidato, partido ou coligação – desde que esse ofereça a opção de cancelar o cadastramento do destinatário;
  • Manter blogs, redes sociais e sites de mensagens instantâneas com conteúdo produzido ou editado pelo candidato, pelo partido ou pela coligação;
  • Recorrer a sites de arrecadação monetária – as famosas vaquinhas online;
  • Comprar palavras-chaves para que tenham prioridade nas ferramentas de busca;
  • Responder a outro candidato na internet – contudo, isso deve ser feito no mesmo meio onde o conteúdo foi divulgado e com o mesmo impulsionamento, caso tenha havido.

E você, já tinha conhecimento a respeito dessas restrições? Então, continue acompanhando o nosso blog para mais conteúdos como este.

Cinco benefícios de terceirizar o marketing de sua empresa.

Empresas modernas, tem optado pela terceirização de alguns de seus processos,  vários departamentos podem ser terceirizados, deixando a empresa livre para focar na sua atividade fim. Processos como a contabilidade, o RH, processos de limpeza, manutenção e vigilância, já são terceirizados por várias empresas.

Todo empresário, seja de grande, média ou pequena empresa, sabe da importância de divulgar seu negócio e criar um valor para sua marca. E o marketing é uma das principais ferramentas para o sucesso de qualquer negócio.  

Atividades como desenvolver ações de divulgação, cuidar de seus canais de venda, promover seus produtos ou serviços ou ainda cuidar da presença online, consomem tempo e precisam de um acompanhamento constante de pessoas ou equipes altamente capacitadas ou do próprio gestor do negócio. 

Com o negócio em expansão, muitas vezes,  outras demandas vão se sobrepondo á esses processos e a falta de tempo faz com que, em muitos casos, a empresa “esqueça” de executar as ações de marketing planejadas.

Uma alternativa, que tem ganhado força nos últimos tempos,  para que sua empresa possa ter mais foco em sua atividade fim é apostar na terceirização do marketing.

Investimento que chega para melhorar os resultados das empresas, o outsourcing marketing (terceirização do marketing) parte do princípio de que profissionais de fora da companhia irão executar todas as tarefas relacionadas ao marketing desse negócio (administração das redes sociais, criação de anúncios e e-mails, produção de conteúdo para blogs, etc.).

Contratar um serviço de marketing terceirizado além de trazer mais valor para a marca, diminui a carga de responsabilidades dos proprietários que já possuem muitas responsabilidades para administrar.

Conheça agora cinco vantagens do outsourcing marketing.

  1. Ideal para médias e pequenas empresas: Companhias que não tem condições financeiras ou estruturais para contratar uma equipe interna de marketing podem terceirizar a função e economizar no quadro de funcionários.
  2. Menos custos: Apesar da terceirização não ser um serviço relativamente barato, seu custo-benefício é maior se comparado à contratação de uma equipe interna de marketing. Deixando a empresa livre de encargos trabalhistas e custos de contratação.
  3. Ponto de vista diferenciado: Tanto os funcionários de dentro da empresa quanto os proprietários têm a tendência de se apegar à ideias já consolidadas. A acomodação pode trazer prejuízos para o marketing da companhia uma vez que as pessoas tendem a não alterar algo que está funcionando. Quando uma equipe terceirizada é contratada, a empresa conta com uma visão externa que enxerga de forma diferente os processos e procedimentos internos.
  4. Mais foco na empresa: O fato de ter uma equipe externa somente para cuidar da comunicação de marketing da empresa, possibilita que a equipe interna se concentre em outras tarefas que aumentem a lucratividade do negócio.
  5. Lançamento de campanhas: Ao terceirizar o marketing da empresa, uma equipe é disponibilizada somente para trabalhar com os projetos da companhia, tornando o processo de criação e lançamento de campanhas muito mais ágil, habilidoso e eficiente.

Portanto, se você é empresário e pretende melhorar os números da sua empresa, uma opção é a contratação um serviço de marketing terceirizado para seu negócio.

A Digideias é uma agência de Curitiba especializada em marketing e possui alguns cases de sucesso de empresas que terceirizaram seu departamento de marketing. Com um time composto por publicitários, designers, social media e jornalistas, a Digideias trabalha para alavancar seu negócio.

Visite o site e conheça os serviços oferecidos. Vem ser Digideias você também!    

Marketing digital para consultórios odontológicos: o que pode e não pode

Você sabia que determinados profissionais não podem usufruir da publicidade, propaganda e/ou marketing para alavancarem os seus negócios? O dentista é um desses.

Isso porque, de acordo com a Lei Federal 8.078/90, do Código de Defesa do Consumidor, o cirurgião-dentista é um prestador de serviços. Por conta disso, qualquer material divulgado por ele pode ser considerado como uma parte do contrato firmado com o paciente – mesmo quando não escrito.

Ou seja, caso o dentista anuncie um de seus procedimentos ou tratamentos odontológicos em um outdoor, ou até mesmo nas redes sociais, o paciente pode cobrá-los como resultado final e, se não correspondido, o profissional pode passar por um processo ou por medidas disciplinares do Conselho Federal de Odontologia (CFO) ou do Conselho Regional de Odontologia (CRO).

Para evitar que isso aconteça, descubra abaixo algumas normas de publicidade para a área odontológica, dos Conselhos Regional e Federal de Odontologia, regidas pelo capítulo XIV do Código de Ética Odontológica e pelo Artigo 7º da Lei 5.081/66.

O que pode ser divulgado:

  • A área de atuação, além dos procedimentos e técnicas de tratamentos – porém, desde que precedidos do título de especialidade registrada no Conselho Regional.
  • As especialidades do cirurgião-dentista – essas inscritas no Conselho Regional.
  • Os títulos de formação acadêmica stricto sensu e do magistério relativos à profissão.
  • O endereço do consultório odontológico e seu horário de funcionamento, além do telefone, fax e e-mail.
  • Os convênios, credenciamentos e atendimentos domiciliar e/ou hospitalar.
  • A expressão clínico geral – contudo, apenas pelos profissionais graduados ou especializados nessa especificidade.
  • Vídeos de animação gráfica que representem técnicas e/ou procedimentos cientificamente comprovados.
  • Artigos que objetivem a orientação e conscientização da população quanto à saúde bucal.

E o que não pode ser divulgado:

  • Fotos e/ou vídeos de pacientes durante os procedimentos ou tratamentos odontológicos.
  • Fotos e/ou vídeos dos resultados dos procedimentos ou tratamentos odontológicos feitos nos pacientes – o popular antes e depois.
  • Fotos, vídeos e/ou textos de procedimentos ou tratamentos odontológicos sem comprovação científica, ou que não pertençam ao âmbito odontológico.
  • Fotos e/ou vídeos das condições bucais de pacientes, a fim de obter opiniões e/ou diagnósticos.
  • Comentários que difamem técnicas comprovadas cientificamente adotadas por outros profissionais.
  • Preço do serviço prestado, assim como gratuidades, descontos, promoções, brindes e/ou vantagens.
  • Título de especialização em área desconhecida pelo Conselho Federal de Odontologia (CFO).

E você, sabia dessas regras? Para mais dicas e conteúdos como esse, continue acompanhando nosso blog!

Conheça os multiusos do drone

Desde seu surgimento, a tecnologia é utilizada para inovar produtos, facilitar processos e melhorar o dia a dia da sociedade. Ideias como a máquina a vapor, a locomotiva, o telefone, o motor, e mais recentes como o GPS e o smartphone, são exemplos de inovações tecnológicas que mudaram o rumo das civilizações e trouxeram muitas melhorias na vida das pessoas.

A mais recente inovação tecnológica que virou febre ao redor do mundo é o chamado drone. Definido como um veículo aéreo não tripulado e controlado por controle remoto, o drone surgiu como uma alternativa na realização de trabalhos de alto risco para os humanos, ou em locais de difícil acesso.

Logo no seu surgimento, os drones eram utilizados para fins militares, como no reconhecimento de áreas, espionagem e envio de mensagens, mas com o passar dos anos eles tornaram-se populares e ganharam dezenas de outras funções. Hoje, a ampla variedade desses produtos no mercado com vários modelos e preços diferentes possibilitou que o grande público tivesse acesso à essa tecnologia.

Também conhecidos como VANTs (veículos aéreos não tripulados), os drones evoluíram de modelos usados apenas para capturar imagens e gravar vídeos, para veículos mais resistentes e autônomos.  

Dentre as muitas funções que os drones adquiriram atualmente, pode-se citar algumas como:

  • Entrega de encomendas: Empresas como Amazon e Domino’s já usaram drones na entrega de encomendas e pedidos. Visando agilizar os processos, os drones prometem um delivery rápido e eficiente, sem atrasos devido ao trânsito ou outros empecilhos típicos das cidades.
  • Uso na agricultura: Muito úteis no ramo da agricultura, esses robôs por controle remoto podem analisar áreas de grandes dimensões, como os campos de plantio, monitorar sistemas de irrigação e pulverizar substâncias usadas nas lavouras.
  • Operações de salvamento: A facilidade de circulação dos drones é uma vantagem utilizada em resgates e operações de busca. Equipados com sensores de calor e câmeras noturnas, esses veículos conseguem transitar em áreas irregulares ou cenários de destruição e desastres.
  • Monitoramento de vida selvagem: Monitorar bandos, animais selvagens ou com hábitos noturnos são tarefas que os drones conseguem executar. O controle remoto desses dispositivos é ideal para funcionar em situações em que a presença humana não é bem vinda, como no acompanhamento da vida selvagem.
  • Publicidade: Usados em ações de marketing e publicidade, os drones podem fotografar cenários, gravar eventos ou cenas e produzir imagens de ângulos diferentes, despertando a atenção das pessoas e de possíveis clientes.

Com esses diversos usos, o drone já se tornou um grande aliado na vida das pessoas, e como a tecnologia existe para nos auxiliar, qual será a próxima inovação? Para saber das próximas novidades, continue acompanhando nosso blog.  

 

Propriedade Intelectual- Copa do Mundo 2018: A FIFA está de olho em você

Mais uma copa iniciando e com ela toda a expectativa e vibração do esporte mais popular do mundo. Além de movimentar o mundo da bola, a copa do mundo movimenta muuuuito dinheiro. Estima-se que a copa 2018 irá movimentar somente em patrocínio mais de 6 bilhões de dólares…..em números brutos, supera todas as ligas esportivas do mundo, inclusive o automobilismo e as poderosas ligas de basquete, beisebol e futebol dos Estados Unidos.

Durante a época dos jogos, é muito comum que comerciantes e empresas associem sua marca à Copa do Mundo na intenção de conquistar novos públicos e gerar mais receita. Mas, para não acabar saindo no prejuízo, é preciso se atentar às regras de direitos autorais e marketing impostas pela FIFA (Federação Internacional de Futebol).

Portanto, você que é empresário ou gerencia um negócio, saiba o que pode ou não fazer quando o assunto é Copa do Mundo.

A cada edição, a FIFA, corporação detentora do evento esportivo, registra uma série de palavras, frases, imagens, representações e marcas que não podem ser usadas por empresas não parceiras da Copa. Grandes nomes como Coca-Cola, Nike, Visa e Itaú, por exemplo, podem explorar a imagem da Copa do Mundo 2018, pois são patrocinadores oficiais do evento.

Termos: Alguns dos vocabulários registrados pela FIFA e liberados apenas aos patrocinadores são: Copa do Mundo, Copa 2018, Copa do Mundo da Fifa Rússia 2018, Fifa, Rússia 2018.

Imagens: Já dentre as imagens e designs de uso exclusivo estão: o troféu, o mascote, o pôster oficial, o emblema oficial da Copa, a tabela de jogos e a identidade visual.

Quando utilizados por empresas não parceiras para fins publicitários e geração de lucro, a FIFA pode abrir um processo por violação de direitos autorais.

Marketing de emboscada: Fazer promoções vinculadas à Copa do Mundo é caracterizado marketing de emboscada a partir do momento em que marcas não parceiras fazem uso de um grande evento visando benefício próprio. O termo pode ser traduzido portanto como pegar carona (de forma irregular) no sucesso de um acontecimento.

Produtos: Outra regra de licenciamento e direitos autorais que abrange o evento é a falsificação de produtos. Desenvolver e comercializar artigos associadas à Copa do Mundo são atividades permitidas apenas aos patrocinadores. Portanto, vender qualquer tipo de produto que estampe as marcas do evento é considerada uma prática ilegal.

Redes Sociais: Para redes sociais,  a simples postagem de imagens relacionadas à copa já é passível de punição. O próprio Facebook esta penalizando empresas que utilizam desses símbolos em suas postagens, dessa forma, posts impulsionados que utilizarem as imagens da copa, serão reprovados.

Uma alternativa interessante é fazer o uso das hashtags (#), porém sempre com um posicionamento informativo, pois quando utilizada com objetivo comercial ou publicitário, o uso da hashtag é passível de punição.

Por isso, você empresário ou comerciante, que pretende alavancar as vendas em época de Copa do Mundo, deve ficar atento às leis de uso de imagem e licenciamento, uma vez que, infringir os direitos autorais, ainda mais de uma gigante como a FIFA, pode resultar em muita dor de cabeça, despesas extras e perda de receita.

GDPR: como ela interfere na sua privacidade

Certamente nesta semana sua caixa de e-mails lotou com mensagens de empresas e marcas atualizando suas políticas de uso e privacidade, não é mesmo? Mas não se assuste , isso é devido a GDPR! Esse fato ocorreu devido à aprovação pela Câmara dos Deputados do Projeto de Lei 4060/2012, do deputado federal Milton Antônio Casquel Monti, que visa regulamentar o uso de dados pessoais por iniciativas privadas, e também pelo poder público.

Mas o que é GDPR?

Derivada do termo em inglês General Data Protection Regulation – que em português significa Regulamento Geral de Proteção de Dados – GDPR é a sigla para lei assentida pelo Parlamento Europeu em abril de 2016, que substitui uma diretiva de 1995 para a gestão de dados de usuários nas empresas de internet, considerada desatualizada para o contexto de um mundo cada vez mais conectado, interligado e com um volume de dados crescente a cada ano.

Do que se trata?

Ela tem por objetivo garantir e proteger, no âmbito do tratamento de dados pessoais, a dignidade e os direitos fundamentais da pessoa natural, particularmente em relação a sua liberdade, privacidade, intimidade, honra e imagem.

Ou seja, a ideia é garantir mais transparência, segurança, privacidade e controle quanto à coleta e manutenção de dados privativos. Informações como nome, endereço, e-mail, idade, estado civil, além de imagens recolhidas por reconhecimento facial ou gravações de chamadas telefônicas, números de IP e histórico de geolocalização serão legais apenas com o consentimento explícito do individuo.

Afinal, quais são as diretrizes?

O uso permitido de dados pessoais foi categorizado em dez situações, são elas:

  • Com o consentimento do titular.
  • Para o cumprimento de uma obrigação legal ou regulatória.
  • Pela administração pública, para a execução de políticas públicas.

No caso destes dois tópicos, o usuário deve ser informado para que fim suas informações serão utilizadas. Nos casos de contratos de adesão, como em download de aplicativos, a empresa deve dar destaque para essas finalidades.

  • Para a realização de estudos por órgãos de pesquisa, sem a individualização da pessoa.
  • Para a proteção da vida ou da integridade física do titular ou de um terceiro.
  • Para a tutela da saúde, com procedimento realizado por profissionais da área ou entidades sanitárias.
  • Para a execução de um contrato ou de procedimentos preliminares relacionados, a partir de pedido do titular.
  • Para pleitos em processos judiciais, administrativos ou arbitrais.
  • Para proteção de crédito, nos termos do Código de Defesa do Consumidor.
  • Para atender aos interesses legítimos do responsável ou de terceiros, como fins comerciais e marketing dirigido – esta, aliás, é a mais utilizada.

Isto é

Essas diretrizes também valem para instituições que atuam e/ou coletam informações, como o Facebook, a Google e a Apple. Em casos de conteúdo reunido por pessoas físicas para objetivos exclusivamente pessoais, jornalísticos, artísticos e acadêmicos elas não contam.

Punições

Qualquer companhia que viole o GDPR será multada em 4% do seu faturamento anual ou US$ 20 milhões – o que for maior. Embora provindo da União Europeia, o regulamento vale para qualquer instituição que oferece os seus serviços na Europa.